Especial Centros Financeiros de SP: Faria Lima, 45 anos depois

Os polos financeiros de São Paulo são o tema desta série especial de artigos publicados pela CBRE. Anteriormente falamos do Centro e da Avenida Paulista. Hoje vamos nos aprofundar no desenvolvimento da Avenida Brigadeiro Faria Lima, que se transformou de uma tranquila área residencial para um dos expoentes financeiros da cidade.

Em 1966, logo após a inauguração do Shopping Center Iguatemi, o primeiro do Brasil, na Av. Brigadeiro Faria Lima, diversos projetos de salas comerciais pequenas começaram a ser desenvolvidos. A maior concentração destes empreendimentos ocorreu no trecho entre as avenidas Cidade Jardim e Rebouças.

A “nova” Avenida Brigadeiro Faria Lima, como a conhecemos hoje, foi concebida no início da década de 1990, quando a Operação Urbana Faria Lima (OUFL) foi implantada. Esta Operação deu inicio à expansão da avenida, criando as condições para o surgimento de novos empreendimentos em terrenos com potencial para desenvolvimento.

A OUFL previu a construção de 1,5 milhão de m² de escritórios, 1 milhão de m² para uso  residencial e 0,5 milhão de m² para uso não residencial, criando-se o CEPAC (Certificado de Potencial Adicional de Construção), o que impactou diretamente na mudança na estética da Faria Lima,  com uma substituição das edificações de padrão horizontal (uso residencial) por edificações de padrão vertical (uso comercial).

Faria Lima 4440 CBRE

Esta transformação radical fica mais evidente quando vemos os números. Estudos realizados pela SEMPLA (Secretaria Municipal de Planejamento) entre 1991 e 2000 mostram que a área construída apenas no distrito do Itaim Bibi teve acréscimo de 90%, passando de 2,2 milhões de m² para mais de 4,2 milhões de m².

Pátio Victor Malzoni CBRE

No primeiro trecho da nova Av. Faria Lima, entre as avenidas Cidade Jardim e Juscelino Kubitscheck, diversos edifícios foram construídos com excelentes especificações técnicas e grandes lajes e alguns deles, como Pátio Malzoni e Infinity, com  lajes superiores a 2.000 m2. Estas características tinham o objetivo de atender as grandes empresas nacionais e multinacionais que sempre analisaram a região mas não encontravam edifícios capazes de atender as necessidades das empresas atuais.

Infinity CBRE

O segundo e último trecho da nova Av. Faria Lima, entre as avenidas Juscelino Kubitscheck e Hélio Pelegrino, consolidou a região, em pouco mais de uma década, o novo centro financeiro de São Paulo. Nove dos dez maiores bancos de investimento presentes no país estão com suas sedes na avenida e entorno, como os edifícios FL 4440,  FL Corporate e The One.

The One Faria Lima CBRE

A região concentra grandes escritórios de advocacia, empresas de private equity, agências de publicidade e, recentemente, atraiu as maiores empresas do mundo da tecnologia e Internet. No próximo artigo vamos falar da arquitetura dos novos projetos e o impacto na paisagem da região.

Share:

Deixar uma resposta