Especial Centros Financeiros de São Paulo: Avenida Paulista

Dando continuidade a série de artigos sobre os centros financeiros de São Paulo (leia o primeiro aqui), o tema de hoje é a Avenida Paulista, região que ganhou a importância econômica que pertenceu inicialmente ao Centro. Os casarões do início dos anos 50 deram lugar para os grandes edifícios comerciais, provocando uma grande transformação durante toda a década de 1950.

Este desenvolvimento acelerado se intensificou em meados dos anos 1970, com a construção de edifícios modernos que atrairam as empresas do Centro da cidade, que passou a não acompanhar a crescente demanda de instituições financeiras, administrativas e de serviços em geral.

O novo pólo empresarial da Avenida Paulista teve seu ápice de crescimento por volta de 1980, onde chegou a ser considerado como o grande centro financeiro da América do Sul. Durante os anos 70 e 80, mais de 70% dos terrenos já haviam sido ocupados por edifícios.

A grande procura gerou escassez de grandes terrenos da Paulista nos anos 1980, fazendo com que algumas empresas buscassem outras regiões da cidade, principalmente Jardins e a Marginal do Rio Pinheiros. A abertura da Av. Brig. Faria Lima na década de 1960 e os grandes terrenos da Marginal na década de 1980 começaram a mudar o mapa da ocupação de escritórios da cidade.

Hoje, a cidade divide-se basicamente em quatro grandes polos: Centro, Paulista, Jardins (Faria Lima) e Marginal do Rio Pinheiros. Juntas, estas regiões concentram 74,1% dos escritórios da cidade sendo que a Marginal é a maior delas, seguido das regiões Centro, Paulista e Jardins.

Paulista Corporate

WT Paulista

Paulista 1100

Entre os prédios de destaque estão o Paulista Corporate, com 18 andares com uma área locável de 10.068 m², localizado ao lado do Museu de Arte de São Paulo – MASP, e o WT Paulista, com 25.575 m², distribuídos em 20 pavimentos com lajes de até 1.207 m², além do Paulista 1100, que possui 21.000 m² distribuídos em 18 andares.

No entorno da Avenida Paulista temos ainda o edifício sede da Fecomércio, com 20.400 m² e projeto de autoria do escritório do arquiteto Júlio Neves, localizado na Bela Vista, e estão previstos novos projetos como o que se encontra em desenvolvimento pela Constrac, que terá 4.000 m² e entrega prevista para 2014.

Edifício Oscar Porto

As ruas paralelas também se encontram em desenvolvimento, com empreendimentos como o Edifício Oscar Porto, com 1.680 m² de área locável em 12 andares, localizado na rua Cel. Oscar Porto, e o Edifício Mantra.

No próximo artigo vamos conhecer melhor a história da Avenida Brigadeiro Faria Lima, o novo polo financeiro de São Paulo.

Share:

Deixar uma resposta