ArquiteturaInstitucional

Arquitetura: as bibliotecas mais incríveis do mundo

Quando falamos na arquitetura de bibliotecas, não importa se possui estilo clássico, antigo ou moderno: todas tornaram-se um ponto de referência, um marco arquitetônico nas cidades. Neste mês em que celebramos o Dia Internacional do Livro, a CBRE convida você a nos acompanhar em um passeio por algumas das bibliotecas mais interessantes do mundo.

Historicamente, as grandes bibliotecas eram imponentes edifícios, com uma escada íngreme que leva a um interior soturno. Mas isso está mudando, pois o que era um atrativo acabou tornando-se um inibidor do público, superado com a oferta de serviços relevantes e modernos para os seus frequentadores.

Mas o que  faz uma biblioteca bem sucedida nos dias atuais? Os especialistas concordam que alguns fatores são vitais, como ser equipada para a inclusão digital, promover a aprendizagem e, talvez a mais importante, responder às necessidades da comunidade onde está inserida. “Design flexível e responsivo que é co-criado com a comunidade que irá usá-lo – essa é a marca de uma biblioteca que está fazendo exatamente o que deve ser feito”, observa a bibliotecária Erin Batykefer, co-fundadora do Projeto Biblioteca Incubadora.

A oferta destes serviços tem mostrado resultados. Estudos recentes relatam que 100 milhões de pessoas na União Européia e 1,5 bilhão nos EUA usam as bibliotecas públicas. “As pessoas pensam que não somos mais necessários na era digital, mas nosso movimento contradiz isso. Mais e mais pessoas estão vindo às bibliotecas”, observa Lysa Rosenblum, bibliotecária-chefe da Biblioteca Pública do Brooklyn. No Brasil, temos uma biblioteca para cada 33 mil habitantes, mas não há dados disponíveis sobre o número de frequentadores.

AS BIBLIOTECAS MAIS IMPRESSIONANTES DO MUNDO

Séculos se passaram desde a criação das primeiras bibliotecas e, apesar das revoluções criadas pelo mundo digital, as bibliotecas de hoje continuam atraindo as pessoas, exibindo uma arquitetura impressionante e oferecendo serviços de última geração. Vamos conhecer algumas?

Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro: A maior biblioteca da América Latina (e a sétima maior do mundo), a Biblioteca Nacional do Brasil abriga cerca de 9 milhões de itens. Datada da chegada da família real de Portugal, o edifício original abriu em 1810 e seu design atual, que mistura os estilos Neoclássico e Art Nouveau, remonta a 1910.

Biblioteca Pública de Nova York: Quando a Biblioteca Pública de Nova York inaugurou em 1911, era o maior edifício de mármore já construído nos Estados Unidos, usando 530.000 pés cúbicos de mármore, com algumas peças exteriores de até 12 polegadas. Para o seu centenário em 2011, o edifício histórico passou por uma restauração de três anos.

Biblioteca Pública de Seattle: Com uma forma distinta, facetada e presença icônica, o edifício de 11 andares da Biblioteca Pública de Seattle, feito de concreto, vidro e aço, tem a assinatura do arquiteto holandês Rem Koolhaas. Inaugurada em 2004, oferece uma experiência moderna, onde a informação tem uma curadoria, é organizada e de fácil acesso, atraindo mais de 8 mil visitantes por dia.

Biblioteca Nacional da França: Com origem no século 14, a Biblioteca Nacional da França está localizada na Rua de Richelieu desde 1868. Os arquitetos franceses Henri Labrouste e, mais tarde, Jean-Louis Pascal, desenharam as grandes salas de leitura.

Biblioteca da Universidade de Arte Musashino (Tóquio): Foi chamada de “a biblioteca mais simples do mundo”. Ao projetar a Biblioteca da Universidade de Arte Musashino, o arquiteto japonês Sou Fujimoto aplicou os elementos básicos de um design icônico: estantes de 30 pés, áreas de leitura, iluminação agradável e um layout prático, alojados em um exterior de vidro. Concluída em 2010, é um exemplo de como as bibliotecas mais recentes podem ser bem-sucedidas na era digital sem o uso de alta tecnologia.

Biblioteca de Alexandria: Séculos após o incêndio que destruiu a famosa Biblioteca de Alexandria, uma versão moderna foi concluída em 2002, mantendo o espírito de sua antecessora. Os toques de modernidade incluem um planetário e um centro de realidade virtual. Projetada pela empresa de arquitetura norueguesa Snøhetta, com um investimento de US$ 200 milhões, a estrutura de 11 andares se assemelha a um relógio de sol inclinado.

Texto original, Blueprint: https://blueprint.cbre.com/the-enduring-appeal-of-libraries-around-the-world/

Share:

Deixar uma resposta